Desde 17 de fevereiro de 2024, as autoridades paquistanesas bloquearam o acesso à plataforma de mídia social X. Essa proibição ocorre logo após um apagão total da Internet orquestrado durante as eleições, justificado por medidas de segurança. Embora essa interrupção maciça tenha durado apenas alguns dias, a proibição do X continua, forçando os cidadãos a fazer uso maciço de VPNs gratuitas para redes sociais a fim de contornar as restrições.

Um histórico de controle da Internet

O Paquistão tem um longo histórico de censura à Internet em tempos de crise. Entre fevereiro de 2022 e dezembro de 2023, as autoridades impuseram 694 dias de blecaute, de acordo com um relatório do grupo de direitos digitais Access Now. Essa tendência se intensificou recentemente, especialmente em relação a eventos políticos e movimentos de oposição, principalmente os do ex-primeiro-ministro Imran Khan.

O papel das VPNs

As VPNs permitem que os usuários ocultem seu endereço IP real, criptografem sua conexão e acessem sites e serviços como se estivessem em outro país. A Proton VPN, por exemplo, relatou um aumento de 6.000% nas inscrições em maio passado durante um bloqueio de mídia social durante os protestos contra a prisão de Imran Khan. Desde janeiro de 2024, o uso da VPN aumentou em mais 400% após as novas restrições impostas antes das eleições.

Alternativas para contornar bloqueios totais

Infelizmente, as VPNs não são eficazes contra apagões totais da Internet. Para compensar, alguns paquistaneses estão usando cartões SIM estrangeiros, telefones via satélite ou redes mesh, como a Briar, para se comunicar e o Bridgefy, que permite a comunicação direta entre dispositivos sem passar por um servidor central.

Reforço da censura

As autoridades paquistanesas estão elaborando novas leis para aumentar o controle sobre o discurso on-line. Isso inclui a criação da Autoridade de Proteção dos Direitos Digitais e da Autoridade Nacional de Investigação de Crimes Cibernéticos, que devem combater a propaganda e os boatos nas redes sociais. Os críticos afirmam que essas leis dão às autoridades poderes excessivos e podem ser abusivas.

Para saber mais: As piores VPNs gratuitas

Censura cada vez mais sofisticada

A censura técnica no Paquistão também está se tornando mais sofisticada. O método de bloqueio do X envolve uma técnica rara de bloqueio de HTTP, em vez de métodos mais comuns, como filtragem de DNS ou inspeção profunda de pacotes (DPI). Também estão circulando rumores sobre uma possível proibição de VPNs, o que seria mais um golpe contra as liberdades de expressão e privacidade dos cidadãos.

Em conclusão

Nos últimos oito anos, os paquistaneses têm vivido em uma escuridão digital intermitente. Os apagões da Internet, quer durem um dia, uma semana ou meses, afetam seriamente as liberdades individuais, a participação democrática e a economia do país. Como apontou Andrew Sullivan, presidente da Internet Society, cada interrupção torna o sistema menos confiável para aqueles que dependem dele. A situação no Paquistão é um lembrete claro do profundo impacto dos apagões da Internet em uma sociedade moderna.

Mateus Sousa da Silva
Mateus Sousa da Silva

Especialista em tecnologia e proteção de dados, com expertise em cibersegurança e jornalismo digital. Apaixonado por direitos digitais e privacidade online, oferece insights relevantes sobre as tendências tecnológicas atuais.