Os keyloggers, geralmente vistos como algo saído de um filme de suspense ruim ou direcionado exclusivamente a jogadores on-line, são uma realidade. Muito mais difundido do que se imagina, esse malware tem a capacidade de causar danos muito sérios. Embora seus meios de distribuição variem e possam ser complexos, sua operação é relativamente simples.

O que é um keylogger?

Um keylogger é uma contração de “keystroke logger”, conhecido em português como “registrador de teclas“. É um dispositivo de software ou hardware projetado para registrar cada pressionamento de tecla feito no teclado do computador. Além de simples pressionamentos de teclas, alguns keyloggers avançados também podem capturar áudio, vídeo e até mesmo informações da área de transferência.

Os keyloggers podem ser considerados malware em alguns contextos, mas nem sempre. Aqui está uma explicação detalhada:

Keyloggers como malware: geralmente, os keyloggers são usados para fins maliciosos, inclusive por hackers para obter acesso ilícito a senhas, detalhes de contas bancárias, informações de cartão de crédito e outras informações confidenciais. Nesses casos, eles são claramente classificados como malware.

Keyloggers para fins legítimos: no entanto, há usos legítimos para keyloggers. Por exemplo, o software de monitoramento parental pode incluir recursos de keylogging para permitir que os pais monitorem a atividade on-line de seus filhos e os protejam. Da mesma forma, algumas empresas usam software de monitoramento de funcionários com recursos de keylogging para garantir que os funcionários não negligenciem suas obrigações, principalmente em ambientes de trabalho remoto.

Estudos de caso sobre o uso de keyloggers

Caso Ankur Agarwal: em 2017, Ankur Agarwal se infiltrou em duas empresas nos EUA, instalando keyloggers de hardware em seus computadores para roubar credenciais. Ele também implantou um keylogger de software para acessar documentos confidenciais. Descoberto em 2018, esse keylogger em série foi condenado a uma pena de prisão e a uma multa pesada.

Universidade de Iowa: o estudante Trevor Graves usou um keylogger para alterar suas anotações e as de outros estudantes por 21 meses. Ele foi preso pelo FBI depois que foram detectadas alterações não autorizadas nas notas.

Keyloggers: software disponível para todos

Os keyloggers não são exclusividade de criminosos cibernéticos experientes. Eles estão disponíveis para qualquer pessoa em determinados fóruns da Dark Web. Geralmente vendidos como software ou dispositivos prontos para uso, eles permitem que até mesmo usuários com poucos conhecimentos de informática se envolvam em atividades maliciosas.

Como posso me proteger contra keyloggers?

Para se defender contra keyloggers, várias medidas são essenciais:

Software antivírus: a primeira linha de defesa é usar um software antivírus premium. Essas ferramentas podem detectar e eliminar keyloggers de software que possam estar presentes em seu dispositivo.

Medidas de segurança padrão: adote práticas de segurança, como cautela com e-mails de fontes desconhecidas e links duvidosos. Evite clicar em links ou abrir anexos de fontes não verificadas.

Gerenciadores de senhas: recomenda-se o uso de gerenciadores de senhas para evitar a digitação de senhas diretamente no teclado, o que reduz o risco de elas serem capturadas por um keylogger.

Atualizações regulares: certifique-se de que o sistema operacional e o software sejam constantemente atualizados para corrigir eventuais falhas de segurança.

Uso de teclados virtuais (opcional): Para tarefas confidenciais, considere o uso de um teclado virtual, especialmente ao digitar senhas.

Monitorar o comportamento do dispositivo: fique atento a qualquer comportamento incomum em seu dispositivo que possa indicar a presença de um keylogger.

Se suspeitar de um keylogger, execute imediatamente uma verificação completa do antivírus, altere suas senhas em um dispositivo seguro e, se necessário, consulte um profissional de segurança cibernética. Para todos os efeitos, embora uma VPN possa ajudar a proteger seu tráfego de Internet, ela não protege contra keyloggers já instalados em seu dispositivo. A vigilância e a boa higiene do computador continuam sendo seus melhores aliados contra esse flagelo.

Conclusão

Os keyloggers não são softwares fictícios, nem se destinam exclusivamente a nichos ou empresas específicas. Eles são uma ameaça real no cenário da segurança cibernética, explorados tanto por criminosos experientes quanto por novatos no crime cibernético. Entender como eles funcionam e seu potencial de dano é uma etapa importante para tornar nossas informações pessoais e comerciais mais seguras.

Mateus Sousa da Silva
Mateus Sousa da Silva

Especialista em tecnologia e proteção de dados, com expertise em cibersegurança e jornalismo digital. Apaixonado por direitos digitais e privacidade online, oferece insights relevantes sobre as tendências tecnológicas atuais.