A Internet é uma parte muito importante de nossas vidas. O artigo que você está lendo está sendo transmitido para você, onde quer que esteja no mundo, por uma série de cabos, talvez de cobre, fibra óptica ou até mesmo do espaço por meio de um satélite. Sim, porque foram necessárias gerações de engenheiros e trabalhadores para que pudéssemos brincar com os filtros do Instagram, fazer vídeos do TicToc e expressar nosso ódio no X (antigo Twitter).

Em sua vida relativamente curta, a Internet passou por apenas uma grande reforma. No entanto, estamos no limiar da terceira iteração da rede global como a conhecemos. Nós a chamamos de Web3 ou Web 3.0. Mas o que é a Web3 e por que devemos nos preocupar?

O que foi considerado Web1?

Entre 1989 e 2005, a World Wide Web foi o que consideramos ser a fase Web1. A primeira geração da Web era muito diferente da que muitos de nós estamos acostumados hoje.

A Web1 consistia em páginas estáticas, com muito pouca (ou nenhuma) interação com o usuário. A interação mais comum com o usuário era na forma de livros de visitas. A Web1 era o lar de muitas homepages pessoais estáticas, geralmente hospedadas gratuitamente nos servidores de provedores de serviços de Internet.

Na época da Web1, a hospedagem paga era geralmente baseada no número de páginas visualizadas. A ênfase estava nos acessos à página. Você costumava ver contadores de acessos exibidos em algum lugar de uma página antiga.

Entre na Web2!

Hoje estamos no que é conhecido como Web2 ou Web 2.0, que significa páginas dinâmicas da Internet, interação, criação e compartilhamento de conteúdo e assim por diante.

Com a Web2, e graças a um aprimoramento muito significativo da tecnologia, as comunidades são a principal força motriz da rede. O surgimento de fóruns do final da Web1 até o meio da Web2 deu lugar a gigantes da mídia social, como o Facebook e o X. Isso deu origem a comunidades enormes, mesmo para os nichos mais discretos no início. A Web2 tem tudo a ver com o compartilhamento de conteúdo gerado pelo usuário.

Nos primeiros dias da Web2, isso era feito em vários sites pequenos e independentes. Hoje, no entanto, isso é feito principalmente em alguns serviços grandes, como Facebook, X, Reddit e Instagram.

No decorrer da Web2, a publicidade on-line se tornou um gigante, para não dizer um verdadeiro flagelo. Os anunciantes têm acesso fácil a grandes quantidades de metadados, o que lhes permite direcionar os anúncios com mais eficiência. Os operadores de sites ganham dinheiro com cliques e conversões, e não com exibição. Essa evolução da publicidade on-line é a raiz da Internet mais ampla como a conhecemos hoje. Otimizada para exibir o maior número possível de anúncios e rastrear seus hábitos de navegação para continuar a oferecer cada vez mais.

Web2.0 e centralização

Atualmente, muitos diriam que estamos em uma fase de transição da Web2 para a Web3. Neste último episódio da segunda geração da Web, os sites mais visitados absorveram os menores sites de comunidades. Os fóruns estão praticamente mortos e as comunidades evoluíram para… bem, não sabemos mais o que é isso.

O Facebook, por exemplo, dedica uma parte inteira de sua plataforma às comunidades com grupos do Facebook. Outro exemplo é o Reddit, que também abriga um grande número de comunidades.

O Discord é outra adição mais recente que está conquistando não apenas o público-alvo dos videogames, mas também todas as atividades de lazer intermediárias. A natureza mais instantânea da comunicação corresponde às expectativas da Web2, e há uma boa chance de que, se você estiver envolvido em algum tipo de hobby, esteja em um ou dois servidores Discord.

©Discord

Para levar essa centralização um passo adiante, esses enormes serviços de Internet são gerenciados principalmente pelos mesmos provedores Cloud. Como Amazon Web Services, Microsoft Azure e Google Cloud. Quando essas plataformas de nuvem falham (sim, isso acontece), grandes áreas da Internet mais usada ficam bloqueadas.

Foi o que aconteceu recentemente quando o Google Cloud ficou inoperante. Isso significou que o Spotify e o Discord ficaram inacessíveis por cerca de 4 horas. A solução para esse problema seria a hospedagem própria, mas esse é outro assunto.

Problemas técnicos à parte, com a Web2 agora temos que levar em conta a censura na Internet. As informações são disseminadas principalmente por meio de alguns sites hospedados nesses mesmos serviços de nuvem. Portanto, é fácil censurar informações.

O que a Web3 tem a oferecer

O objetivo da Web3 (web 3.0) é combinar as inovações trazidas pela mídia social com os usuários que ajudaram a tornar essas plataformas o que elas são hoje. Trata-se de garantir que as plataformas futuras pertençam aos usuários, e não a grandes empresas que coletam dados e lucram com seus usuários. Bem, esse é o objetivo inicial.

É por isso que a descentralização é um elemento fundamental da Web3. Atualmente, a descentralização está associada principalmente a criptomoedas e blockchain. As criptomoedas são uma alternativa descentralizada às moedas fiduciárias centralizadas com as quais todos nós estamos familiarizados. É outra maneira de devolver mais controle aos indivíduos e se afastar das grandes organizações.

Basicamente, a Web3 é a Internet como a conhecemos, mas descentralizada e distribuída por meio de um blockchain. Ela elimina as antigas estruturas dominantes e as substitui por algo em que todos podem ser iguais e recuperar o controle.

Blockchain e Web3

Um blockchain é um banco de dados público descentralizado armazenado e compartilhado por diferentes nós em uma rede. Cada transação no blockchain é gravada e armazenada nesse banco de dados, que é acessível a todos. Essas transações são armazenadas no que é conhecido como blocos. Isso cria um registro impenetrável de eventos, em um modelo baseado no princípio Zero Trust.

A Web3 foi inventada em 2014 por Gavin Wood, que havia acabado de se envolver no desenvolvimento da Ethereum. A criptomoeda mais bem avaliada depois do bitcoin. Gavin Wood fundou a Web3 Foundation.

“Financiamos as equipes de pesquisa e desenvolvimento que estão construindo as bases da Web descentralizada. Junte-se a nós”.

O ecossistema Ethereum é um exemplo de Web3, embora ainda esteja em sua infância. A blockchain existe em muitas formas diferentes. Isso acrescenta a diversidade necessária para que o conceito sobreviva em sua totalidade. Essas blockchains também podem se comunicar umas com as outras, e as pontes entre ecossistemas já são uma realidade.

Confiança e Web3

Como mencionamos anteriormente, uma parte importante da Web3 é a propriedade. Trata-se de se afastar do domínio das grandes empresas (GAFA) e do controle que elas têm sobre nossos dados. Estamos avançando para um modelo que pertence aos próprios usuários.

Da forma como está, a Web2 nos obriga a nos entregar a essas grandes empresas e a aceitar termos de uso abusivos para acessar serviços e aplicativos. Mesmo que empresas como o WhatsApp ofereçam criptografia de ponta a ponta entre as pessoas que se comunicam entre si, a empresa ainda retém tudo o que passa em trânsito.

O caso do software Open Source

Embora seja uma melhoria em relação às plataformas fechadas, há sempre um elemento de exclusividade em um serviço Open Source centralizado. Veja o Signal, por exemplo, um serviço de mensagens criptografadas seguras de código aberto. No final do dia, o Signal está sempre no controle. Você mesmo poderia hospedar o Signal, mas ele não conseguiria se comunicar com a plataforma principal. O objetivo da Web3 é permitir que qualquer pessoa forneça ou coprovisione uma plataforma, sem depender de terceiros indesejados.

O blockchain foi projetado para permitir isso.

Descubra o Session, o aplicativo de mensagens descentralizado da Web3

O Session é um aplicativo de mensagens instantâneas criptografadas Open Source implementado na rede LOKI. A Lokinet é autônoma. Ele não depende de terceiros, mas da blockchain.

Os protocolos de roteamento onion (nó) oferecidos por essa rede permitem que os usuários formem túneis ou caminhos por meio de uma rede distribuída, usando vários nós como saltos para mascarar o destino e a origem dos pacotes de dados. Esse processo é comparável ao Tor, mas não se baseia na mesma tecnologia.

NFTs e propriedade

Você provavelmente já ouviu falar de tokens não fungíveis. Os NFTs tomaram a Internet, e o X em particular, de assalto. Para a maioria das pessoas, os NFTs não passam de arte digital ou até mesmo de uma fraude.

The Glider – ©MargePlay

Cada moeda é única e está hospedada em uma plataforma como Ethereum, Polygon ou Kusama.

A questão é que um NFT é uma forma de conferir propriedade a ativos digitais. Mas os NFTs também podem conferir propriedade a outras coisas, não apenas à arte digital.

Por exemplo, a hide.me, uma das VPNs gratuitas mais conhecidas, ofereceu sua assinatura de VPN por meio de um NFT em fevereiro de 2022. Uma máscara NFT Guy Fawkes, colocada à venda na plataforma Kanaria, deu a cada um de seus 20 proprietários acesso a uma assinatura vitalícia da VPN Premium da hide.me.

Essas máscaras agora pertencem somente a esses 20 proprietários, e eles podem fazer o que quiserem com elas. Se desejarem, podem revendê-las e transferir a propriedade para outra pessoa ou passá-las para um amigo. Eles se tornam proprietários legítimos em seu próprio direito.

É provável que a Web3 mude?

A Web3 não é um padrão fixo. Assim como as versões que a precederam, essas são partes da Internet que evoluíram com o tempo. No final das contas, a tecnologia ainda é a mesma. É apenas a maneira como interagimos com ela que muda, se adapta e, portanto, evolui.

A Web3 tem mais em comum com a Web1 do que com a Web2 no que diz respeito ao aspecto da descentralização, à ênfase no indivíduo e na propriedade em vez de um modelo de serviço governado pelos gigantes da tecnologia. Algumas pessoas gostam de pensar nela como o melhor dos dois mundos. Em outras palavras, descentralização e individualização, com um foco dinâmico no usuário.

Por que devo me interessar pela Web3?

A World Wide Web, como a conhecemos, tem apenas 30 anos. Nessas três décadas, ela percorreu um longo caminho e mudou completamente a forma como o mundo funciona. Não há motivo para acreditar que ela deixará de evoluir agora.

Estamos falando de uma mudança lenta e gradual. Escândalo após escândalo de nossos dados sendo usados contra nós, vemos os usuários da Internet lutando contra empresas como Meta e Google.

Do jeito que as coisas estão, estamos passando de uma Web centralizada para uma Web descentralizada. No momento, você não encontrará uma plataforma que rivalize com o Reddit ou o Facebook em números absolutos. Mas não há dúvida de que, com o tempo, uma plataforma descentralizada poderia facilmente rivalizar com esses gigantes centralizados, oferecendo aos usuários controle sobre seus dados, sua privacidade e sua segurança.

A Web3 é interessante porque, no papel, ela devolveria (isso é condicional) a propriedade a cada usuário da Internet. A remoção do Gafa da equação elimina a autoridade, o que melhora a segurança e a privacidade.

Lucas Ribeiro Almeida
Lucas Ribeiro Almeida

Expert em VPN e segurança digital, revelando os segredos das redes privadas virtuais para uma navegação segura e privada.