A confidencialidade dos dados não é apenas uma preocupação comercial, mas também pessoal, uma vez que muitas dessas informações pertencem à esfera privada. Portanto, é muito importante saber o que é a confidencialidade dos dados e por que ela é essencial.

À medida que os dados se tornam cada vez mais digitalizados, é muito mais fácil compartilhar informações on-line. Entretanto, embora isso nos permita conectá-lo ao mundo e economizar tempo, a coleta e a posse de dados on-line podem expô-lo a hackers, phishing e roubo de identidade.

Descubra tudo o que você precisa saber sobre privacidade de dados e as medidas que você pode tomar para se proteger on-line.

O que é confidencialidade de dados?

A confidencialidade dos dados envolve a proteção de informações privadas fornecidas a agentes públicos e privados em diferentes contextos. Em geral, refere-se à capacidade de um indivíduo de determinar por si mesmo se, como e em que medida ele comunica ou compartilha suas informações confidenciais com outras pessoas. Esses dados pessoais podem incluir, entre outros, seu nome, informações financeiras, informações médicas, local de trabalho, detalhes de contato, atividades on-line ou comportamento na vida real.

Com o aumento do uso da Internet, a confidencialidade dos dados tornou-se um tanto complicada. Na maioria das vezes, aplicativos on-line, plataformas de mídia social e sites coletam e armazenam seus dados para aprimorar a experiência do usuário e oferecer um serviço melhor. No entanto, isso expõe você de uma forma mais pessoal.

Alguns aplicativos não usam medidas de segurança cibernética suficientes para proteger seus dados, o que significa que praticamente qualquer pessoa pode roubá-los. Outros ainda compartilham abertamente seus dados com terceiros para fins de marketing ou outros. Na maioria das vezes, eles ganham dinheiro vendendo suas informações sem o seu consentimento.

O que acontece quando há uma violação de dados?

As violações de dados afetam tanto indivíduos quanto organizações. As pessoas afetadas por esse tipo de roubo geralmente precisam alterar suas senhas com frequência, congelar seus cartões bancários e monitorar ativamente sua identidade.

As empresas que não adotaram medidas para proteger seus dados podem ser responsabilizadas pelas vítimas após uma violação de dados, independentemente dos esforços que fizeram para protegê-los em primeiro lugar. Elas também serão obrigadas a informar as vítimas sobre as informações roubadas.

As violações de dados também podem custar caro. De acordo com um relatório publicado pela IBM, o custo médio de uma violação é de mais de US$ 4 milhões. Além disso, o custo de uma reputação prejudicada é um problema com o qual muitas empresas têm de lidar durante anos. Algumas nunca se recuperam.

Para os indivíduos, o roubo de identidade é um problema real. As informações reveladas por um vazamento de dados variam de números de previdência social a detalhes bancários. Ter esses detalhes permite que os criminosos cometam todos os tipos de fraude em seu nome. Se você for vítima de roubo de identidade, poderá ser processado e pode ser muito difícil e demorado recuperar o que foi perdido.

Qual é a diferença entre confidencialidade e segurança de dados?

Embora sejam frequentemente usados de forma intercambiável, a confidencialidade e a segurança dos dados são duas abordagens muito distintas. Muitas organizações acham que a proteção de informações privadas contra terceiros mal-intencionados está de acordo com as regras de confidencialidade de dados. Esse não é necessariamente o caso.

  • Confidencialidade dos dados: governança da maneira pela qual os dados são usados, coletados e compartilhados pelo proprietário com partes externas.
  • Segurança de dados: proteção de dados contra todas as ameaças externas e internas.

 

Há alguma lei sobre confidencialidade de dados?

No Brasil, a lei para a proteção de dados pessoais é a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que foi aprovada em agosto de 2018 e entrou em vigor em setembro de 2020. A LGPD é inspirada no Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia e tem como objetivo regulamentar o uso, a coleta, o armazenamento e o processamento de dados pessoais no Brasil.

 

Veja a seguir alguns pontos-chave da LGPD:

 

  • Consentimento: A lei geralmente exige o consentimento livre, informado e específico do titular dos dados para o processamento de seus dados pessoais.
  • Finalidade: os dados pessoais só podem ser coletados para finalidades legítimas, específicas e explícitas, e não podem ser processados posteriormente de forma incompatível com essas finalidades.
  • Transparência: as organizações são obrigadas a fornecer informações claras e transparentes sobre como coletam, usam e processam dados pessoais.
  • Direitos dos indivíduos: o LGPD concede aos indivíduos uma série de direitos, incluindo o direito de acessar, corrigir, excluir e se opor ao processamento de seus próprios dados.
  • Responsabilidade: as organizações são responsáveis por proteger os dados pessoais que processam e devem implementar medidas de segurança adequadas para evitar violações de dados.
  • Transferências internacionais de dados: As transferências internacionais de dados pessoais são permitidas sob certas condições, especialmente se o país de destino oferecer um nível adequado de proteção de dados ou se forem implementadas salvaguardas apropriadas.
  • Penalidades: O LGPD prevê sanções em caso de não conformidade, incluindo multas de até 2% do faturamento anual da organização, até um limite de R$ 50 milhões.

Como podemos garantir que seus dados permaneçam privados?

Não se trata de saber se seus dados serão coletados, mas quando e como.

Aqui estão algumas dicas para você começar:

  • Proteja todas as suas contas on-line usando senhas fortes ou usando um gerenciador de senhas; o NordPass é um dos mais recomendados no momento.

 

  • Proteja sua navegação desativando a publicidade baseada em interesses, principalmente do Google, Facebook, Apple e X (antigo Twitter). Você pode usar um bloqueador de anúncios.

 

  • Use software antivírus (não podemos enfatizar isso o suficiente!)

 

  • Use uma VPN para proteger seus dados e evitar o rastreamento e a vigilância on-line.

 

  • Fique atento a links com anexos em suas mensagens e e-mails. Os hackers são famosos por criar golpes de phishing que se parecem com comunicações legítimas de empresas de serviços públicos, bancos ou outras entidades comerciais.

 

  • Verifique se o site em que está navegando é seguro olhando para a parte superior do navegador. O site é seguro se você vir um símbolo de cadeado ou “https” no link do URL.

 

  • Não compartilhe muitas informações nas mídias sociais. Verifique regularmente suas configurações de privacidade para ver quem está visualizando suas publicações. Seja extremamente cuidadoso ao publicar sua localização, cidade natal, endereço, aniversário ou outras informações pessoais.

Privacidade on-line: boa demais para ser verdade?

Cada vez mais publicamos nossos dados on-line, principalmente nas mídias sociais. Também compartilhamos grandes quantidades de dados pessoais com empresas, inclusive detalhes confidenciais, como nosso histórico médico e endereço. E confiamos em aplicativos e plataformas para cuidar de nossos dados, mas nem todos o fazem.

Seja por criminosos cibernéticos que acessam sistemas para roubar seus dados ou por corretores de dados que compartilham seu perfil de publicidade com milhares de terceiros, sua privacidade é atacada todos os dias. Pense cuidadosamente sobre o que você compartilha, onde e com quem. É provável que haja aplicativos em seu telefone que você não usa e que continuam a roubar suas informações. Faça uma pequena faxina.

Lucas Ribeiro Almeida
Lucas Ribeiro Almeida

Expert em VPN e segurança digital, revelando os segredos das redes privadas virtuais para uma navegação segura e privada.